‘Portunhol’ busca sair da exclusão na fronteira entre Brasil e Uruguai

‘Portunhol’ busca sair da exclusão na fronteira entre Brasil e Uruguai

0 904

Um grupo de intelectuais quer que a Unesco declare o dialeto Patrimônio Imaterial

Apenas uma rua separa as cidades de Santana do Livramento e Rivera, em uma fronteira difusa entre Brasil e Uruguai. Um grupo de historiadores, artistas e linguistas de ambas as regiões organizou um ciclo de conferências no lado uruguaio para iniciar um processo que, em princípio, parece quixotesco: postular o portunhol, uma forma de expressão a meio caminho entre o português e o espanhol, comoPatrimônio Cultural Imaterial da Unesco. “O portunhol é a linguagem da fronteira. Muitas vezes um brasileiro do sul está falando e parece um uruguaio”, conta Eduardo Palermo, historiador de 52 anos, um dos defensores da petição. “O problema é que essa forma de expressão é sempre discriminada”.

Breve dicionário de portunhol

Atenti: atención; atenção.

Camiáu: camión; caminhão.

Dispôs: después; depois.

Ingatado: enamorado, enganchado; apaixonado.

Liña: frontera, línea divisoria; fronteira, linha divisória.

Pasaye: pasaje; passagem.

Ratiño: ratito, momentito; um momento.

Séstia: siesta; sesta.

Shinéla: chancleta; chinelo.

Yeladera: heladera, nevera; geladeira, refrigerador.

Quando um riverense ou um santanense atravessa a rua que divide ambas as cidades, não muda automaticamente sua forma de falar. E quem não fala portunhol tem o ouvido familiarizado com os seus sons. “Pasáme una sía”, “vou passar a plancha”, “busco un kilo de laranya”, “dame este biscoito”. Qualquer habitante da fronteira sabe que alguém está pedindo uma cadeira, que vai passar roupa, que quer comprar laranjas ou um biscoito.

“Por muito tempo as pessoas tinham vergonha de falar portunhol”, diz Julho Piastre, de 47 anos, um dos coordenadores dos centros do Ministério de Educação e Cultura em Rivera. “Antes era considerado uma espécie de doença, uma dislexia. Queremos defender o orgulho de falar portunhol”, enfatiza. Para que a Unesco o declarepatrimônio da humanidade, primeiro o Governo uruguaio deve reconhecê-lo como tal. O ciclo de conferências “Jodido bushinshe [tremendo rebuliço]. Do falar ao ser”, que começou na sexta-feira passada e se estenderá até novembro, busca criar “uma massa crítica” e produzir bibliografia para respaldar a proposta.

Fachada da Galeria Vermelho em São Paulo com a palavra Vermello, parte da exposição do mesmo nome sobre portunhol da artista argentina Ivana Vollaro. Ela pesquisa o tema desde 2000.

O Uruguai é, junto a México, Chile e Argentina, um dos quatro países de maioria falante do espanhol que não especifica um idioma oficial em sua Constituição. “No final do século 19 no Uruguai se falavam inglês, portunhol, francês e línguas africanas. O castelhano só se consolidou no século 20”, afirma o historiador Palermo. A fronteira norte uruguaia abrange cerca de 1000 quilômetros, que permitiram múltiplos intercâmbios com o Brasil. Ao todo 260.000 habitantes, de três departamentos uruguaios, comunicam-se em portunhol, embora em diferentes níveis. O número pode dobrar se forem considerados os falantes que migram para outras regiões do país, segundo os defensores da petição.

“Esta é uma linguagem livre que incomoda as estruturas hegemônicas. Incomoda porque é a língua dos pobres, aquela que não pode ser padronizada”, assegura o historiador Palermo. O presidente daAcademia Nacional de Letras do Uruguai, Adolfo Elizaincín, admite que essa variante foi considerada inferior ao longo da história. A pesquisadora de minorias linguísticas Graciela Barrios ressalta que a política do Estado uruguaiotem sido desencorajar o uso do portunhol. Nas salas de aula se ensina a forma padrão do espanhol e, nos últimos anos, também do português. “Quando o uruguaio da fronteira norte viaja ao centro do país é chamado de bayano [em referência ao estado da Bahia], o abrasileirado. Sempre o discriminam por falar diferente”, aponta Palermo.

Cartaz do ciclo de conferências “Jodido Bushinshe. Do falar ao ser”

O mesmo acontece do outro lado da fronteira. No município de Chuí, o ponto mais meridional do Brasil, a mistura se dá porque muitos conhecem os dois idiomas, ou pelo menos uma parte. “Este é um portunhol mais vinculado ao castelhano, mas não tem nada a ver com o sotaque estrangeiro”, conta Katherine Moreno Martins, assessora de imprensa da Prefeitura de Chuí (que também está separada apenas por uma rua da uruguaia Chuy). Martins afirma, em português perfeito, que o idioma tem efeitos no aprendizado das crianças: “Nos primeiros anos de escola a grande maioria tem dificuldades para escrever algumas palavras corretamente, já que falam um idioma em casa e outro no colégio”, afirma.

Na região da liña (fronteira em portunhol), a linha divisória costuma ser rompida. Os falantes de portunhol procurarão romper também a fronteira da discriminação perante a Unesco.

Consultor de Web-Marketing, Diseño Gráfico y Diseño Web, Gestor Cultural, Diseñador de Sitios Web Interactivos, programador Web, asesor en informática, diseñador publicitario, e-comerce, web-Marketing SEO, Social media manager y pago por clics. Escritor, Tallerista, Generador de contenidos, Emprendedor

NO COMMENTS

Deja un comentario